terça-feira, 23 de junho de 2009

Os sete pecados capitais que se cometem em entrevistas


Após anos e anos de recrutamento percebemos que muitos candidatos cometem uma série de pecadilhos durante a entrevista que acabam por eliminá-los do processo seletivo. Não se trata de má fé, mas de simples falta de preparo e atenção quando se encara um entrevistador. Selecionei aqui os sete principais erros que candidatos costumam cometer em uma entrevista e como evitá-los:

1- Não responder diretamente às perguntas formuladas pelo entrevistador, utilizando evasivas quando não está certo sobre determinado assunto. Ideal: esteja preparado para a entrevista, olhe nos olhos do entrevistador e responda o que foi perguntado. Se não souber, diga que não sabe mas que irá pesquisar e retornar ao entrevistador;

2- Comunicar-se de maneira muito coloquial. Ideal: a entrevista é uma ocasião formal, portanto exige cerimônia;

3- Falar mal de empregos ou chefes anteriores. Ideal: mencione apenas diferenças de objetivos ou de filosofias, sem citar nomes;

4- Tentar enrolar quando se trata de responder sobre sua fluência em idiomas estrangeiros. Ideal: para a questão fluência existem apenas duas respostas: sim ou não;

5- Não ter um conhecimento mínimo sobre a empresa na qual deseja entrar. Ideal: a internet resolve esta questão. Pesquise! Empresas precisam de pessoas que demonstrem interesse em saber mais!

6- Justificar pretensão salarial baseado em suas despesas pessoais. Ideal: nossas despesas têm um peso grande em nossas decisões e opções. Porém para o entrevistador (e para o candidato) remuneração é igual à raridade daquela mão de obra no mercado, aliada à contribuição que ela traz para a empresa;

7- Disponibilidade para início imediato: dar a entender que largaria o empregador atual na mão para começar no novo, caso seja contratado. Ideal: demonstre preocupação com seu atual empregador. Se você pretende deixá-lo na mão, nada o impediria de deixar o futuro empregador na mão também.

E boa entrevista!

FONTE: BLOG Seu Próximo Emprego

Marketing Pessoal



O Marketing Pessoal é uma técnica eficaz para o sucesso profissional se usada corretamente, no sentido de valorizar a pessoa para o caminho profissional e pessoal.
Lembro que em todo processo de desenvolvimento pessoal é importante preservarmos nossas características, evitando a busca de ser aquilo que não somos.

Se você está trabalhando, seguem algumas dicas de Marketing Pessoal, pode parecer óbvio mas nós pecamos nesses itens:
- Cuide da comunicação e apresentação pessoal: seu cartão de visita
- Auto-imagem positiva e otimista
- Demonstre iniciativa, persistência, motivação em tudo que faz
- Sempre saber o que as pessoas pensam a seu respeito para mudar se necessário pequenos hábitos e costumes
- Seja sempre pontual com compromissos
- Saiba atender um pedido, auxilie, preste ajuda
- Faça com prazer e demonstre sempre vontade, atenção e responsabilidade naquilo que faz
- Tente sinceramente não dizer nada negativo ou de julgamento sobre outra pessoa durante todo um dia. Se você conseguir, tente outro dia. A disciplina verbal pode se tornar um hábito e vale a pena
- Venda corretamente sua imagem: ser competente e parecer competente (lembra a célebre máxima de Caio Júlio César*: À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta).

E para finalizar algumas características a qual não preenchem as requeridas pelo Marketing Pessoal, ou seja, não se deve portar diante de uma entrevista por emprego:

- Não estar adequadamente vestido com a formalidade que a situação exige
- Mascar chiclete
- Falar sem olhar nos olhos do interlocutor
- Ser arrogante e autoritário
- Falar demais
- Demonstrar ansiedade
- Consumir bebidas alcoólicas durante jantares e almoços
- Fumar
- Chegar atrasado
- Falar mal de ex-empregadores
- Assediar o entrevistador(a)
- Invadir o espaço do entrevistador(a) com palavras ou gestos
- Colocar objetos na mesa do entrevistador(a)
- Não desligar o telefone celular ou atendê-lo durante a entrevista

Boa sorte e bom emprego.

por Eduardo Teixeira

*Caio Júlio César - foi um líder militar e político da República romana.

sábado, 13 de junho de 2009

Finanças para todos entenderem



A internet carece de artigos mais direcionados a maioria da população no que se refere a finanças pessoais.
Sites e portais especializados ajudam as pessoas a partir da classe média a investir seu dinheiro em ações, imóveis, ouro, etc.
Mas a esmagadora maioria precisa galgar mais um degrau na escala das classes.
Preocupações com pequenos orçamentos, salários apertados, despesas mal planejadas, não tem amparo nesses lugares.
Enquanto o programa "Minha Casa Minha Vida", promete aquecer o mercado de imóveis de baixo custo, gerando empregos e possibilitando o acesso à casa própria de milhares de famílias de baixa renda, os sites especializados informam que os financiamentos a partir de R$ 150.000,00 devem esperar um pouco mais, pois as taxas de juros vão baixar um pouco mais.
Os especialistas e estudiosos não se preocupam em informar os pequenos (apesar de ser em números, muito superior aos que podem ser beneficiados com informações desse tipo).
O "economês" é freqüente em artigos econômicos e confunde aos que estão fora desse circuito. É só ver a taxa de rejeição de artigos técnicos, é altíssima!
Falta um olhar direcionado para o cidadão simples, que usa ou está começando a usar a internet como ferramenta de conhecimento e de entretenimento.
Os textos são suntuosos: "Como investir 100.000,00 em ações", "Uptrend elabora lista com 40 países", "Ainda volátil, mercado segue em busca de fundamentos para nova tendência", etc.
São assuntos tão fora do alcance e compreensão do cidadão comum e não ha interesse imediato na leitura dessas informações.
Mas a internet está mudando e artigos que impactem diretamente na vida do cidadão simples estão sendo elaborados e seus autores serão em breve os mais lidos da web.

por Eduardo Teixeira

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Decisão pela vida






Fonte Revista Seleções do Reader´s Digest abril/2000 - A decisão de Christopher Reeve; Joanna de Ângelis responde - perg. 175 e 176

No último fim de semana de maio de 1995, o ator Christopher Reeve, mais conhecido como o super homem, participava de uma competição hípica e sofreu uma queda.

Seu corpo, de 1.93m e 97 quilos, aterrizou de cabeça, quebrando as duas vértebras cervicais superiores.

Quando o médico lhe disse que deveria passar por uma delicada cirurgia e que talvez não sobrevivesse, ele pensou em morrer.

Não seria melhor? Afinal, pouparia a todos um monte de problemas.

A vida se tornou difícil. Quando a família e os amigos chegavam ele se sentia feliz. Mas quando todos iam embora e ele ficava ali, sozinho, deitado, olhando para as paredes, sentia-se muito triste.

Imóvel, conseguia adormecer e sonhar. Sonhar que estava de novo cavalgando, representando. Ao acordar, verificava que nada mais daquilo poderia fazer.

Sua esposa, com quem se casara há três anos, entrou um dia no quarto do hospital e lhe falou: "quero que você saiba que estarei com você até o fim, não importa o que aconteça.

Você ainda é você e eu o amo."

Ele moveu os lábios, respondendo: "isso está muito além dos votos do casamento: na saúde e na doença."

Naquele dia ele decidiu que viveria. Dias depois, seu filho de três anos também lhe trouxe novas esperanças.

Ele brincava no chão quando de repente olhou para cima e disse:

Mãe, o papai não mexe mais os braços. Sim, concordou, a mãe.

É verdade.

E o papai não pode mais correr, continuou a criança. A mãe tornou a concordar.


Então o garoto fez uma pausa, franziu o rosto como se estivesse se concentrando e disse alegre: mas papai ainda pode sorrir.

Isso fez com que o ator decidisse definitivamente não partir.

Ele viveria. Aprenderia a respirar sem o auxílio da máquina.

Viveria, mesmo que fosse para sempre em uma cadeira de rodas, sem se mover.

Ele tinha uma família. E esta família o amava. Recentemente, teve oportunidade de narrar para uma revista: "estou feliz por ter decidido viver. Os que estão próximos a mim também se sentem felizes.

Em novembro de 1995, no dia de ação de graças, fui para casa passar o dia com minha família pela primeira vez desde o acidente. Quando revi nossa casa, solucei, enquanto dana, minha esposa, me abraçava.

No jantar, cada um de nós disse algumas palavras sobre o que estávamos agradecendo.

Quando chegou a vez do pequeno de três anos, ele disse simplesmente: papai.

***

A família é de grande importância para o homem.

O amor é o poder criador mais vigoroso de que se tem notícias no mundo.

Seu vigor é responsável pelas obras grandiosas da humanidade.

Num lar, onde reina o amor, todas as dificuldades podem ser superadas, porque este sentimento impulsiona o indivíduo para a frente e se faz refúgio para a vitória sobre todos os percalços.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

O que é empreendedorismo?



O empreendedorismo é um processo que faz com que uma pessoa, que tenha formação superior ou não, se capacite, muitas vezes por intuição, a desenvolver um negócio próprio.
Isso acontece com aquele vendedor de pipocas, que investiu em um carrinho, que pesquisa preço da materia prima, que aprendeu a conquistar seus clientes. Ele sabe a hora exata de fazer uma nova panelada de pipoca, o hora certa de inundar o ar com o aroma da pipoca estourada. Ele aprendeu a lidar com o público consumidor e suas muitas faces (crianças, namorados, adultos solteiros, casados). Fica atento a oportunidades (festas, casamentos, eventos, etc).
Esse verdadeiro espirito empeendedor foi o que levou Samuel Klein (Casas Bahia), os Diniz (Pão de Açúcar), os Matarazzo (indústrias) a criarem verdadeiros impérios.
Mas se o espirito empreendedor é o mesmo, por que o vendedor de pipocas não tem uma grande rede de pipocas, com carrinhos em todo o mundo?
A diferença é que o pipoqueiro em questão nunca visualizou algo maior do que tem. O seu conhecimento de mercado é o suficiente para se manter no negócio, mas expandir nunca foi seu foco. Os outros nomes citados, heróis do empreendedorismo nunca se contentaram com pouco. Essa inquietação de que "pode ser feito mais", é como uma anomalia genética que ocorre com muita raridade e por isso quando ocorre todos ficam sabendo, por que o detentor dessa raridade é capaz de feitos grandiosos, nunca desistem com facilidade, caem e se levantam mais fortalecidos com o aprendizado da queda.
Mas você tem aquele amigo que já tentou mil e uma coisas e nada deu certo. Seu amigo já teve uma lanchonete, um lava a jato, uma banca de revistas, um bar, enveredou pelo caminho do paisagismo e por ultimo o marketing de rede e nenhum dos negócios prosperou. Sempre havia uma boa desculpa para justificar o fracasso. Mas sabe de uma coisa? A inquietação do seu amigo poderá coloca-lo a frente de uma boa oportunidade. Seu amigo tem de se concentrar nos erros e parar de comete-los. Talvez falte planejamento. Disposição não falta, idéias não falta, ele tem vontade de acertar, sem medo de arriscar, não teme mudanças e nem desafios. Só falta acertar. Alias para ele e para muitos empreendedores do Brasil, que acreditam em uma idéia e abrem seu negócio. Acreditam e investem tudo, mas a maioria fecha as portas nos primeiros anos.

Quantos escritores temos no Brasil? Melhor, quantos escritores tem em seu estado? Muitos deles grandes anônimos, mas você tem uma amiga que escreve super bem. Até editou um livro independente, por que as editoras não lhe deram oportunidade. Qual a diferença entre o livro dela e um do Chico Buarque, do Marcelo Rubens Paiva, do Paulo Coelho? Bem existem muitas diferenças, estilo, marketing, contatos e maior delas: o talento.
Talento é o nome da anomalia genética que ocorre muito raramente nas pessoas. Veremos uma lista de celebridades que tinham a tal anomalia:
Machado de Assis, Fernando Pessoa, Amador Aguiar, Juscelino Kubitschek, Samuel Klein, Heitor Villa-lobos, Pablo Picasso, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Volpi, Wolfgang Amadeus Mozart, Ludwig van Beethoven, Alexander Graham Bell, ufa! Não é uma lista completa é claro, apenas uma introdução para apoiar a idéia de que o sucesso é ditado pela diferença.

O empreendedor deve reunir algumas das seguintes características:

. Estar sempre à busca de oportunidades;
. Iniciativa
. Persistência
. Comprometimento
. Exigência de qualidade e eficiência
. Correr riscos calculados
. Saber estabelecer metas
. Buscar informações
. Planejar e monitorar sistematicamente
. Capacidade de persuasão e de formar rede contatos
. Independência e autoconfiança

Dificilmente uma pessoa reunirá todas estas características em perfeito equilíbrio, mas é importante estar consciente de quais são suas qualidades e deficiências.

Na verdade, cada empreendedor tem características especificas, mas certamente o que não foge à regra é esse desejo de fazer as coisas diferentes, desejo de inovar, o que caracteriza o espírito empreendedor e não conformista. Quem se deixa levar por esse espírito, sempre acha que as coisas podem ser melhores, que pode ter autonomia para tomar suas decisões, conduzir sua carreira, desenvolver suas especialidades, sua competência, suas “expertises”. Alguém que sabe que é o conhecimento especifico, o know how adquirido pela sua experiência, com seus estudos, sua atualização, que irão lhe dar oportunidade de fazer sucesso. Para ser bem-sucedido, o empreendedor deve ser extremamente atualizado em relação ao mercado e às suas tendências. Existe dentro dele uma certa ambição, sabe liderar equipes, trabalhar em grupo, ter confiança em si e, ao mesmo tempo, nos outros.

Você pode até ser um funcionário de uma empresa e praticar o empreendedorismo. Como? Sendo uma pessoa que não se restringe a fazer o trabalho do dia-a-dia, e que está o tempo todo observando o que acontece ao seu redor, nos outros departamentos, nas outras áreas, no produto, na tomada de decisões, enfim, você acaba percebendo tudo isso e sabe que pode tentar interferir e melhorar o seu ambiente.

Eduardo Teixeira

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Visualização pode curar dificuldades


por Eduardo Teixeira

Encontrei na internet um artigo interessante que fala de uma técnica simples antiestresse.
O psiquiatra afirma que visualização pode curar dificuldades emocionais e outros males. Gerald Epstein, esse é o nome dele, acabou de lançar um livro com essa teoria.
Curioso pesquisei sobre o assunto e parece ser um consenso entre os psicanalistas e psiquiatras que o processo de pensar por imagens esconde um inegável potencial de cura.
Bem, visualizar é pensar por meio de imagens. Embora as últimas descobertas científicas comprovem os efeitos da mente sobre a saúde, não é preciso ir muito longe para perceber que nossa imaginação pode proporcionar um tour pelas mais diversas emoções, nos levando da felicidade às lágrimas, da raiva à excitação em um piscar de olhos, literalmente.
Se assim é, por que não investir em imagens que possam reverter quadros crônicos de emoções negativas e doenças?
Se sou um gastador compulsivo, basta visualizar um indivíduo controlado, capaz de se mover nas finanças pessoais equilibradamente.
Bem conheço indivíduos muito inteligentes, que demonstram grande equilibrio e que já tentaram de tudo pra se livrar de gastos superfluos que os acompanham a vida inteira.
Com um deles ficou provado atraves de regressão que a cultura financeira que ele vivenciou na infancia era a culpada por suas ações.
Ele constantemente presenciava queixas e brigas domésticas de seus pais e o motivo era sempre a falta de dinheiro.
Então o cérebro dele desenvolveu mecanismos que o faziam "se livrar do dinheiro". Deixando ele sempre na sua zona de conforto ou seja, sem dinheiro. Ele tentou planilhas, programas financeiros, anotações e quase entregou suas finanças para outra pessoa controlar. Nada adiantou. Começou a realizar uma série de exercícios que o ajudaram bastante. Ainda não é um sujeito que chega ao final do mes com algum valor investido para uma eventualidade, mas não está mais contraindo novas dívidas, o que é um grande passo em busca do equilibrio financeiro.

Como contribuição descreverei o método de Gerald Epstein.

Autoliberação

O trabalho de visualização, diz o psiquiatra, ajuda a rejeitar o comportamento e as atitudes que prejudicam nossa saúde. Para obter bons resultados com a técnica é preciso definir a intenção, isto é, o que desejamos conseguir com o exercício. Fique atento também para:

Postura corporal: a posição mais eficaz para a prática das visualizações é a que o autor chama de “postura do faraó”. Sente-se com as costas retas e os braços pousados confortavelmente nos apoios, mãos abertas, palmas para cima ou para baixo, plantas dos pés apoiadas no chão, sem cruzá-los.

Respiração: diga a si mesmo que fique tranquilo e relaxado. Respire ritmicamente, inspirando pelo nariz e expirando pela boca. As expirações têm de ser mais longas e vagarosas do que as inspirações.

Horários: o psiquiatra recomenda que se faça os exercícios no começo do dia, antes do café da manhã, ao entardecer e antes de dormir, pois esses três momentos de transição – entre adormecer e despertar, entre o dia e a noite, entre despertar e adormecer – são muitos fortes.

Duração: a regra de ouro para terapia com imagens, segundo o autor, é que “menos vale mais. Quanto mais curta for a visualização, mais poderosa ela é”.

Hora de praticar

Confira técnica na íntegra, proposta pelo dr. Epstein:

Nome: estresse sem angústia.
Intenção: eliminar a angústia.
Frequência: diariamente, conforme a necessidade, durante 30 segundos a 1 minuto para cada um dos exercícios relacionados entre si.

O estresse é o estado normal de nossa existência diária. Está quase sempre conosco quando estamos acordados (e, às vezes, enquanto dormimos – por exemplo, durante um pesadelo); é um dos aspectos essenciais da vida. Estamos sob estresse e sofremos choques constantemente. Esses choques não podem ser eliminados da vida, nem deveriam. São despertadores que nos estimulam a reagir e a nos manter alertas. Às vezes, encaramos esses choques como experiências dolorosas. A isso chamamos “angústia”. É essa angústia, e não o estresse, que precisamos aprender a administrar e controlar. A maneira como lidamos com a angústia mostra nossa capacidade de viver uma vida mais ou menos equilibrada. Os exercícios a seguir são correlatos e têm a intenção de lhe proporcionar um programa próprio da angústia. Você deve fazer o conjunto completo de exercícios.

1. Feche os olhos. Expire três vezes. Visualize-se alimentando gigantes poderosos. Depois que terminar, abra os olhos.
2. Feche os olhos. Expire duas vezes. Visualize-se fazendo amizade com seres hostis. Então, abra os olhos.
3. Feche os olhos. Expire duas vezes. Visualize-se atando a cabeça de uma cobra. Depois que terminar, abra os olhos.
4. Feche os olhos. Expire três vezes. Visualize-se saltando sobre o lombo de um dragão em movimento. Depois que terminar, abra os olhos.
5. Feche os olhos. Expire uma vez. Visualize-se chamando para fora os seres que habitam uma caverna e estão escondidos. Então, abra os olhos.
6. Feche os olhos. Expire duas vezes. Visualize-se enfrentando fantasmas em um antigo castelo. Então, abra os olhos.
7. Feche os olhos. Expire três vezes. Visualize-se encontrando uma alma poderosa em uma catacumba. Então, abra os olhos.
8. Feche os olhos. Expire três vezes, visualize-se conduzindo um animal estranho para dentro de uma floresta fechada. Então, abra os olhos.
9. Feche os olhos. Expire uma vez. Olhe para um alvo no qual você atirou e errou. Que fazer? Você precisa de ajuda? Então, abra os olhos.
10. Feche os olhos. Expire uma vez. Olhe para um pássaro que voa alto quando seria mais oportuno que ele permanecesse voando baixo. O que você está sentindo? Então, abra os olhos.
11. Feche os olhos. Expire uma vez. Perceba que você precisa lutar contra a maré, a fim de se realizar como pessoa. Então, abra os olhos.
12. Feche os olhos. Expire uma vez. Veja por que, depois da luta, podemos, enfim, nos aquietar. Então, abra os olhos.
13. Feche os olhos. Expire uma vez. Saiba quando é bom falar e quando é melhor ficar em silêncio. Então, abra os olhos.
14. Feche os olhos. Expire uma vez. Aprenda a não se impacientar com seja lá o que estiver acontecendo em nossa sociedade, e a não se render a isso. Então, abra os olhos.
15. Feche os olhos. Expire uma vez. Perceba que o que é construído às pressas é rapidamente destruído. Então, abra os olhos.
16. Feche os olhos. Expire uma vez. Olhando para águas serenas, límpidas e silenciosas, veja o que deseja ver. Depois que terminar, abra os olhos.
17. Feche os olhos. Expire uma vez. Olhando para águas serenas e límpidas, mude sua aparência para como desejaria ser. Depois que terminar, abra os olhos.


Fonte:
Imagens que curam – Práticas de visualização para a saúde física e mental
Gerald Epstein
Editora Ágora.