sábado, 15 de maio de 2010

Frases Famosas - Bob Marley

"Todos caem mas, apenas os fracos continuam no chão."
Bob Marley

Quem Quer Faz. Quem não quer arruma uma desculpa.

Não me lembro onde li essa frase, mas passei a adotá-la em meu MSN e repetidas vezes “twitto” a mesma. Ela é muito verdadeira, direta e sincera. E por conseqüência acaba sendo dura para algumas pessoas também.

As empresas estão abarrotadas de pessoas que vivem dando desculpas do porque não conseguiram fazer as coisas. Nós sempre temos na ponta da língua um motivo chave que fez a gente não realizar aquela atividade. E na lista das milhares de desculpas possíveis a que tem sido mais freqüente é “não tive tempo”. Concorda?

Tirando as coisas que estão totalmente fora de nossa linha de controle ou atuação, as outras simplesmente não foram priorizadas ou escolhidas. Você não leu aquele livro porque teve preguiça. Você não retornou aquela ligação porque o cliente era chato. Você não concluiu seu dia porque colocou um monte de outras coisas na frente. Você não foi à academia porque estava com moleza naquele dia. Você não termina de escrever seu livro porque precisa revisar ainda mais. E assim a vida passa.

Se o pedido ou a atividade for por e-mail ainda mais fácil de recusar ou de empurrar para outra pessoa, afinal, o e-mail virou o grande “tirador da reta” corporativa que o homem inventou.

Para a maioria das pessoas, não é que está faltando tempo, o problema é que está sobrando desculpas. Quando a gente quer algo de verdade, quando a vontade ou a necessidade é maior do que tudo, a gente vai lá e faz. Que atire a primeira pedra quem nunca deu uma boa desculpa para alguém ou faltou na aula para ver o namorado(a). No começo do namoro é assim, depois de alguns anos, faltou tempo para comprar o presente de namoro (ou vira coisa de data comercial).

Eu ensino as pessoas a administrarem seu tempo e empresas a terem menos urgências. Mas isso não é uma tarefa fácil para a grande maioria. Eu ensino a planejar, a priorizar, a fazer com que a pessoa coloque suas atividades no Neotriad e fique com ele aberto o tempo todo para gerenciar o dia. Parece super simples, mas não é. Eu não tenho que vencer o vilão do tempo, eu tenho que vencer o vilão da zona de conforto. Aquele modus-operandi que todos nós temos, que é criado pela forma como nossos pensamentos são processados em nosso cérebro.

Esse modelo mental é que gera nossa preguiça, nossas desculpas, nossa falta de tempo e realizações. Como vencê-lo? Primeiro é se conscientizar de que você está lutando contra algumas décadas de um modelo antigo pré-estabelecido, contra apenas alguns dias de um novo modelo. Isso requer duas coisas: a primeira é persistência constante, ou seja, todo o dia se forçar a fazer um pouco desse novo modelo que você quer implantar. E o segundo, é achar um motivo forte que te motive a manter esse ritmo.

Por que você quer mais tempo? Quando essa pergunta estiver respondida de forma que realmente toque todas as partes do seu cérebro, da sua alma, do seu coração e do seu ser, pode ter certeza que você achou a forma de vencer seu velho modelo.

Quem quer fazer algo que realmente valha muito a pena, e achar um motivo para isso, vai acontecer, vai fazer. Caso contrário, você vai achar um excelente desculpa para deixar para depois.

** artigo publicado no http://migre.me/F8jJ

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ele acreditou, não desistiu...

Você perde a esperança fácil?
Desiste com facilidade?
Deixa de lutar por que acredita que não ha mais chances de vencer?
O você faria por um amigo?
Qual a sua motivação?


sábado, 8 de maio de 2010

Como ganhar um milhão

Poucos dias depois do terrível terremoto que abalou a Cidade do México em 19 de Setembro de 1985, um pequeno menino, japonês-americano, ia de porta em porta, vendendo cartões postais ao preço de 25 centavos cada. E todo o dinheiro que ele conseguia arrecadar, oferecia como ajuda às vítimas do terremoto.
Uma das pessoas que comprou alguns cartões postais do pequeno menino, perguntou-lhe:
- Quanto você espera conseguir com a venda destes postais?
- Um milhão de dólares! – respondeu sem hesitar.
O homem então sorriu e disse:
- Você espera conseguir um milhão de dólares para ajudar as vítimas do terremoto sozinho?
- Ah não, senhor – respondeu o menino – O meu irmão mais novo está me ajudando!
.
Segundo o jornal “Los Angeles Times”, esta é uma história verídica, e que apesar de simples, revela algumas coisas importantes para a nossa vida:

1. Ele tentou: Não sabemos se o menino conseguiu juntar 1 milhão de dólares para ajudar as vítimas do terremoto, mas ele tinha uma meta, e correu atrás dela. Pode até ser que ele não tenha conseguido juntar todo este dinheiro, mas ao final, ele tinha muito mais do que quando começou. Talvez ele mesmo tivesse dúvidas de que conseguiria, mas ele também sabia que só havia um jeito de saber: tentando.

2. Ele deixou um legado. Ao contrário do que muitos pensam, legado não é o que você deixa quando morre, mas quando sai de algum lugar. Com cada pessoa que ele conversava, mesmo que esta pessoa não comprasse seus postais, ele deixava um legado; uma “marca” de simplicidade, amor, altruísmo e de que pensar no próximo é muito importante.

3. Ele não estava sozinho. Ninguém consegue realizar algo grandioso sozinho. Não existem “Supermans” ou “Rambos”. O que existe são pessoas, seres humanos que dependem uns dos outros, para ajudar e serem ajudados. Como diz John Maxwell(1): “um é um número muito pequeno para se alcançar a grandeza”, por isso, o que realmente faz a diferença é o trabalho em equipe, porque sozinhos podemos ir mais rápido, mas juntos vamos muito mais longe.

Bem, e aqui ficam algumas perguntas:
Você tem estabelecido metas em sua vida?
Tem estabelecido um plano de ação para alcançá-las?
Qual é a marca que você deixa quando sai de uma conversa, de uma reunião, de um bate-papo?
Você tem valorizado o trabalho em equipe?

John Maxwell - é internacionalmente reconhecido como um perito em liderança, palestrante e autor que já vendeu mais de 13 milhões de livros.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Frases Famosas - Falta de Dinheiro

"Nada estabelece limites tão rígidos à liberdade de uma pessoa
quanto a falta de dinheiro"
- John Kenneth Galbrai

Motivando Equipes

Uma idéia simples para motivar sua equipe, pode vir de uma experiência que vivi em uma concessionária de veículos em São Paulo.
O Diretor estava cansado de campanhas de incentivo com prêmios, viagens e outros, que não iam de encontro o real interesse dos funcionários.
Então ressucitou a conhecida caixa de sugestão, que a principio era específica para esse assunto.
Com um numero surpreendente de interessados, apareceu a sugestão de realizar um econtro de todos os funcionários pelo menos duas vezes ao mes, em um clube que era bem proximo da empresa. Nesses encontros, sugeriram que houvesse churrasco, cerveja e futebol.
Com parte da sugestão aceita, a empresa se mobilizou como nunca. Os departamentos receberam seus desafios e objetivos, que alcançados renderam uniformes, bolas e bandeiras.
Depois vieram os campeonatos, que rendiam comentários por dias, em todos os departamentos. E rendendo-se a inúmeros convites, os diretores começaram a participar dessas atividades, pelo menos por alguns minutos.
O clima de cordialidade ficou intenso. Não era incomum ouvi funcionários falando sobre os diretores como se fossem íntimos.
Um deles, que pouco era comprimentado por receio dos funcionários, tornou-se amplamente popular. E esforcava-se ao máximo em chamar todos pelo nome.
A cerveja não era paga pela empresa, mas sempre os funcionários levantavam o valor para regar o churrasco e as partidas de futebol.